top of page

Por que a liderança precisa ser desenvolvida todos os dias?

Atualizado: 17 de out. de 2023

Podcast Espaços Reconhecidos estreia com debate sobre gestão de pessoas e empatia



O empreendedor Romualdo da Silva foi o primeiro entrevistado do Espaços Reconhecidos, podcast produzido pelo Grupo Atona para apresentar histórias de pessoas inspiradoras que tiveram na Análise Transacional um ponto de apoio para o desenvolvimento pessoal, profissional ou organizacional.


O convidado é um empreendedor, visionário e apaixonado por conectar pessoas. Sócio-proprietário da CRM Think, parceira oficial Bitrix24 no Brasil, ele já atuou em diversas áreas na tecnologia da informação e atualmente trabalha focado em implementação de softwares CRM.





Você pode conferir o episódio completo aqui no Spotify ou aqui no Youtube. Mas separamos, abaixo, os principais tópicos debatidos no programa. Confira.


Criar conexões de verdade


Com a condução das analistas transacionais da Atona, Luciana Priosta e Simone Klober, a conversa se iniciou pelo destaque da capacidade de Romualdo de se conectar com pessoas e “fazer as coisas acontecerem”. Mais do que procurar compreender as histórias das pessoas, questionando e interagindo, a entrevista foi sobre ter um olhar atento ao outro e sobre a sensibilidade para descobrir suas necessidades.


“Sempre fui uma pessoa muito tímida, e continuo sendo muito reservado sobre minha vida pessoal. Eu gosto de ser assim, mas quando se trata do profissional, sou um cara muito ativo. Eu me conecto fácil, viajo, participo de muita coisa e, naturalmente, acabo conhecendo muita gente, né?”.

E continuou, parafraseando um amigo, “temos de ser pessoas interessantes, não pessoas interessadas”. De acordo com Romualdo, quanto maior o networking, maior será a sua lista mental de opções para solucionar problemas, seja para você mesmo ou para conhecidos. Mas a questão vai além de uma rede de contatos, é necessário estar disposto a compreender e auxiliar outras pessoas.


“São clientes, são negócios. Minha carreira foi pautada nisso e diria que, hoje, talvez o meu maior ativo como profissional são minhas conexões”.


Como foi reconhecer seu espaço?


O primeiro contato de Romualdo com a Análise Transacional, conforme ele mesmo contou, foi um estranhamento. Sem conhecimento da teoria, foi acompanhando a criação do Grupo Atona e só durante esse processo é que entendeu a importância que a inteligência relacional teria para ele como empreendedor e gestor de pessoas. Resolveu fazer o AT101 - Curso Introdutório em Análise Transacional oferecido pela Atona.


“Porque o líder nunca vai estar 100%, ele tem que se desenvolver todos os dias. Com o tempo, mudam os desejos e as inspirações. É preciso estar atento a estas mudanças”, explicou.

Romualdo afirma que já sabia que a empatia era o fio condutor para uma boa gestão de equipes. E durante o curso ele ganhou ferramentas que permitiram levar isso a um nível superior.


Romualdo acredita que é pela empatia que se torna possível identificar as maiores fortalezas de uma equipe e também as fragilidades. Essas informações precisam ser qualificadas e compartilhadas com cada pessoa para que possam, líder e liderado juntos, encontrar estratégias de mudança de comportamentos que favoreçam o crescimento do time como um todo.


“Quando qualquer pessoa sai da empresa, seja gerente, coordenador ou que tenha qualquer outro cargo de liderança, o ideal é que a empresa contrate um estagiário. Porque precisa ter pessoas preparadas dentro da organização para ocupar esta cadeira vaga”.


Uma cultura organizacional forte em desenvolvimento interpessoal permite movimentações como esta, com baixo impacto relacional, menor custo operacional e grande ganho em produtividade e motivação..


A importância da transparência da empresa em momentos de crise



Quando o programa chegou no assunto contratação e desligamentos, surgiu a questão de como profissionais e gestores têm lidado com a onda de #layoff dos últimos anos.


“É muito uma questão de transparência da gestão. Sempre fui extremamente transparente porque as pessoas precisam entender o que significa, de fato, a situação das empresas. Treinei meu time, eles conhecem os nossos números e entendem os movimentos quando precisam ser feitos”.


É claro que não existe uma solução pronta para a melhor gestão de equipes em momentos de crise. É preciso avaliar caso a caso. Mas a liderança empática, que leva em consideração o contexto dos profissionais e, também, da companhia, e que se pauta pela transparência deve fazer parte das ações.




“Porque, se não, a gente fica míope, olhando para um aspecto só, e aí, de fato, pega as pessoas de surpresa”, finalizou Romualdo.


A Análise Transacional como caixa de ferramenta


Para exemplificar sua relação com a Análise Transacional, Romualdo trouxe uma analogia:


“Eu uso a Análise Transacional na hora que preciso. É como uma caixa de ferramenta. Uma hora você precisa de uma ferramenta, outra hora de outra. Então a AT está na minha caixa de ferramenta, faz parte do meu repertório e, no momento certo eu, uso.”

E nos trouxe um exemplo. Certa vez ele precisou lidar com um colaborador difícil que vivia criando conflitos com a equipe. Usando a Análise Transacional, pôde observar o jogo psicológico que o colaborador costumava jogar e que estava impactando negativamente a relação com a equipe. Ao reconhecer isso, Romualdo pode utilizar a ferramenta de saída dos jogos, demonstrando compreensão genuína pela pessoa, reconhecendo seus pontos positivos e salientando os impactos do seu comportamento para a equipe.


Ele conseguiu trazer luz para o jogo que estava sendo feito e, a partir daí, sugerir outra dinâmica. “Fui lá e perguntei por que ela estava agindo assim e se nunca haviam apontado que isso era um problema. A pessoa me falou ‘caramba, ninguém nunca tinha me falado isso’. E resolvido”.


O exemplo trazido por Romualdo evidencia a diferença que um feedback transparente e empático pode fazer para a solução de um problema comportamental na equipe. Essa habilidade é fundamental para a liderança e pode ser desenvolvida por qualquer pessoa, todos os dias. Cada pessoa é um mundo inteiro em constante transformação e o líder precisa estar atento e conectado à sua equipe para observar esses movimentos e agir. Todos os dias.


O restante do programa ainda contou os bastidores da participação de Romualdo da Silva na história da Atona, sua inspiradora trajetória profissional e o que o move a ajudar outras pessoas.


Veja ou escute o episódio completo e acompanhe as redes sociais da Atona para não perder o próximo episódio.



26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page